Logo-grupo-cimm

Tag: Workaholics

O descanso já é nobre por si só!

Criado sob a égide de que o trabalho enobrece o homem, convicto de que é com o suor do rosto que se ganha o pão, ciente de que a competição pela vida se vence fazendo mais, treinando mais, estudando mais, se dedicando mais, caprichando mais. Torna-se o homem tão disponível ao trabalho, e por tanto tempo, que tal disponibilidade acaba por consolidar-se em obrigação. Cada indivíduo é um átomo ativo do capitalismo. Afinal, alguém precisa acelerar a economia. Quanto mais ocupado maior o status, maior a autoridade, mais elevados os ganhos financeiros, maiores são as posses, maior o poder de sedução, maiores as concessões para a vaidade. Nascido para vencer, para vingar-se da origem singela, para saciar a fome antiga, para convencer o mundo sobre sua superioridade e poder de liderança, não há tempo a perder, nem a socializar. O êxito profissional requer planejamento, organização, direção e controle. Mas, seria só ele o requerente de tais ações? E a vida, essa que é única, a esfriar o café, a empoeirar as esperanças, a sacrificar convívios, a embaçar a visão, a ensurdecer os ouvidos, a criar sulcos na face, a pratear os cabelos e a perder o sábado. Esse que um dia já foi consagrado ao descanso e à adoração!

Ler post completo

Qualidade de Vida!

Graduado,  especializado, pós-graduado e poliglota, conectado, viajado, informatizado, eloquente, persuasivo, obstinado pela busca do próprio êxito e líder, torna-se  o homem uma pessoa “hiper”, ou seja, hiper ocupada, hiper compromissada,  hiper  solicitada e,  hipoteticamente, hiper realizada, possuidora de tanto e sem tempo para usufruir de nada. Pressionam-lhe os negócios e todas as prioridades organizacionais,  contra tudo o que demais puder haver. Alivia-lhe, de certa forma, o poder aquisitivo e a possibilidade de oferecer bens materiais aos familiares, que lhe clamam por presença física e atenção. Em um turbilhão de eventos sucessivos e sem fim, escapa-lhe, por um lado, o controle do envelhecimento precoce e, por outro, a amplitude da real felicidade.  Assim, pouco riso lhe visita os lábios, e pouco brilho lhe ocupa os olhos. Orgulhoso de si mesmo e inundado por informações e alternativas , perde-se o homem, talvez em nada melhor do que aqueles a quem resta apenas a esperança de poder, quem sabe, viver por mais  um dia!

Ler post completo