Logo-grupo-cimm

Soluções não caem do céu!

000000 Heleno

FOTO MERAMENTE ILUSTRATIVA

Quando Heleno tinha, aproximadamente, 10 anos, ainda era uma criança, contudo, já havia vivido o suficiente para saber, que em certas circunstâncias, até os próprios pais lhe faltavam com a verdade. Isso ocorria, às vezes para acomodar uma situação embaraçosa ante a um grupo específico de espectadores, outras vezes, para evitar que ele (ou quem sabe, seus próprios pais) desse algum vexame em público. Recorda-se de inúmeras vezes ter ouvido: “Pare com essa birra e comporte-se que depois te levo ao Mc Donalds, ou te levo ao cinema, ou te compro o novo game do Mario”, mas depois…! Bem! Depois que o apuro havia passado, as promessas eram esquecidas. Assim, Heleno descobriu que, faltar com a verdade, fazia parte do enredo da vida! Aliás, se papai e mamãe faltavam com a verdade, era natural que todo mundo fizesse o mesmo!

Apesar disso, o menino cria que, ao menos, dois personagens que, vez ou outra, cruzavam o seu caminho deviam, de fato, nunca faltar com a verdade. Um deles era o médico e o outro o líder religioso! O primeiro porque tinha como propósito profissional a manutenção da vida e, caso tratasse da saúde alheia com base na mentira, poderia tolher vidas precocemente! O segundo porque cria ser o representante de Deus na terra, portanto, o responsável por garantir o refrigério da alma, a paz eterna do espírito e, portanto, não caberia jamais, a esse um, prestar algum falso testemunho!

Ocorre que, aos poucos, Heleno foi amadurecendo à medida em que a realidade fria dos fatos agrediam seus ouvidos ingênuos e suas retinas inocentes. Aos 25 anos já sabia que também nas faculdades de medicina, alguns alunos passam colando, alguns outros compram seus diplomas, outros apresentam seminários para os quais pouco contribuíram com pesquisas pessoais. Descobriu ainda que muitos líderes religiosos, por vezes, pregam mais em seus próprios interesses do que nos de Deus. Afinal, são homens como quaisquer outros, no que tange a resistir às tentações da alma e às fraquezas da carne. Com isso, descobriu que a verdade não tem sua gênese fundamentada no parentesco, na função política, na posição social ou profissão que uma pessoa possa ter, mas antes de tudo no caráter de cada indivíduo!

Em sua infância Heleno foi levado a acreditar que se fosse um bom menino, seja qual fosse o seu problema, Deus, que está no céu, poderia acolher às suas súplicas, livrá-lo dos males e das tentações, fazer-lhe justiça, supri-lo de todas as suas necessidades e para isso bastava a ele pedir e pedir, bater e bater à porta do firmamento e bênçãos lhes desceriam sobre a cabeça. Já um mocinho, ele entendia que havia nascido para cumprir seus próprios propósitos, embora, ele mesmo mal suspeitava quais poderiam ser.

Um dia, porém, ali pelos 35, Heleno pensou que talvez seu foco estivesse equivocado. Entendeu que se concentrasse todos os seus esforços no cumprimento de propósitos próprios e individuais, possivelmente, não lhe sobraria tempo ou recursos, para que cumprisse com os propósitos de quem lhe havia soprado fôlego às narinas! Provavelmente, sua vida teria muito mais valor se se tornasse um instrumento a serviço do Deus, ao qual ele tanto pedia socorro, contribuindo para que Este pudesse cumprir com propósitos, segura e infinitamente, mais elevados que os seus. Ao comparar a grandeza do que poderia realizar pedindo para si com a grandeza do que poderia gerar servindo a Ele, mudou completamente de atitude.

Não! Heleno não mudou de profissão. Aquilo que era, continuou sendo, apenas deu novo sentido à sua própria vida. Ao invés de fazer tudo o que fazia pensando apenas em horar a si mesmo e aos seus compromissos, ou seja, no lugar de visar unicamente benefícios particulares, entendeu que deveria faze-los de um modo que, por meio de seu trabalho e dos frutos que colhesse, deveria estar honrando a vontade do seu Criador. Assim, quando administrador, Heleno não administrava bem, pensando em quanta riqueza iria gerar para si, mas em quanta riqueza poderia distribuir a funcionários, patrões e acionistas. Pensava em quantos novos pais de família sua empresa poderia contratar, quantas crianças a mais poderiam ser bem alimentadas e ter acesso à escola, se ele triunfasse em suas estratégias como gestor. O trabalho era o mesmo, mas o propósito era muito mais inspirador e santo!

Hoje, quando Heleno reza (ou ora, se você preferir) não olha mais para o céu, pois quem ora olhando para céu entende que Deus está do seu lado de fora. Heleno incorporou a ideia de que Deus mora dentro dele, do lado esquerdo do peito e debaixo de sete chaves. Heleno não fica mais parado a espera que a solução de seus problemas caia do céu. Heleno ora de olhos fechados no silêncio do seu quarto. Heleno sente o fogo da fé queimando em seu coração, porque ele sabe que Deus está bem ali, com ele. Heleno expõe seus temores, Heleno pede orientação e bençãos ao seu Mestre, Heleno madruga, Heleno age, Heleno trabalha, Heleno persiste, Heleno crê e assim tem sido abençoado grandemente e estendido graça por onde passa, pois Heleno não anda só, ao seu redor há uma legião de anjos, embora ninguém de pouca fé os possa ver!

Marcondes      27 de abril de 2015            03:27

 

 

 

Gostou? Então compartilhe

6 comments on “Soluções não caem do céu!”

  1. José Pavani Sobrinho Responder

    Realmente! Nada cai do céu, as conquistas são frutos de muita dedicação e trabalho. Tem uma máxima da física: não há trabalho sem deslocamento de espaço.

  2. Francisco C Marcondes Responder

    Olá Pavani!
    Muito obrigado pelo comentário e pela leitura do texto!
    Sabe que há muito tempo não estudo física.
    Agradeço a lembrança!
    Fiquei até na dúvida se a frase não seria:
    “Não há trabalho sem deslocamento de massa”
    Preciso reestudar tudo!
    Grande abraço e uma ótima semana pra você!
    Marcondes.

  3. João Benedito Responder

    Justamente, é por isso que estou saindo de uma dificuldade…..nada cai do céu….trabalhe e colherá os frutos, muito boa Marcondes, abraço a todos os leitores.

  4. Francisco C Marcondes Responder

    Olá João Benedito!
    Fico feliz com a tua manifestação de apoio ao meu texto.
    Muito obrigado pela visita ao blog e pelo comentário.
    Atitude e fé são fundamentais!
    Grande abraço!
    Marcondes.

  5. Pedro Vaz Responder

    Muito bom Marcondes.
    Sempre temos que ter ação e fé em Deus.
    Nada cai do céu se não trabalharmos e não adianta batalharmos se não temos fé em Deus.
    Abraços.
    Pedro Vaz

Deixe uma resposta