Logo-grupo-cimm

Já pensou na tua missão hoje?

A missão

FOTO MERAMENTE ILUSTRATIVA

Como bem se sabe o tempo é um recurso não renovável e, à medida que a idade avança, parece-nos que, a cada ano, está mais acelerado! Mal se desmonta a árvore de Natal e já está na hora de tirá-la da caixa mais uma vez! Talvez, fosse uma boa ideia mantê-la armada ao longo do ano e não desmontá-la no dia de Reis, como manda a tradição. Quem sabe assim o espírito Natalino se preservasse o ano todo!

Na juventude, parece-nos que o nosso futuro é uma eternidade. Preocupar-se com o quê, se temos a vida toda para pensar em metas e realizações. Em pleno vigor físico e tendo o suficiente para manter-se e garantir as baladas, é difícil imaginar um outro cenário! Deste modo, o Carpe Dien (aproveite o dia, em Latim) parece nos servir melhor nessa fase da vida. Pelo menos até que a maturidade ou, quem sabe, um golpe do destino (uma gravidez inesperada, por exemplo), faça com que a responsabilidade bata em nossa porta prematuramente!

Todavia, assim tem sido e, provavelmente, continuará sendo para a grande maioria dos jovens. Como pais, podemos até chamar a atenção nisso ou naquilo, contudo, não me surpreenderia se estivéssemos fazendo o mesmo ou, quem sabe, pior do que eles, se tivéssemos a mesma idade! O tempo, por si só, passa muito rápido, porque apressá-lo ainda mais, forçando a maturidade dos filhos, só porque agora não é a nossa vez de ser criança ou de ser jovem?

A menos que se faça parte da “tribo” ou se estabeleça como um membro dela ou ainda que se seja uma lenda ou mito para eles, não é na juventude, que se há de plantar um bom destino. Esse tempo já passou! Plantar agora dará muito mais trabalho! Plante bons valores na infância e na adolescência e o jovem não se desviará do que se costuma chamar de “bom caminho”! Plante, principalmente, com exemplos e não, apenas, com palavras.

É quase impossível, no mundo atual, haver alguma empresa, bem sucedida, que não tenha bem claro para si uma visão, uma missão, um propósito e um conjunto de crenças e valores, que lhes dê plena sustentação estratégica! É imprescindível que desde o recrutamento, a seleção e a integração, tudo isso fique bem claro aos recém chegados. Com isso, todo novo membro terá uma orientação precisa sobre o que, como, quando, onde, quanto e porquê exercer suas funções em direção ao caminho do máximo êxito profissional. Promovendo, de igual maneira, os melhores resultados à empresa que o está contratando. Deste modo, a perspectiva trabalho estará revestida das melhores chances de sucesso! Simples assim!

Ocorre, no entanto, que o objetivo maior de uma pessoa é ser feliz. De preferência e seguindo os mais rígidos princípios éticos, sem que essa felicidade custe a infelicidade de um outro alguém, que dela dependa ou com a qual se relacione. Sabe-se no entanto, que só o trabalho, não é suficiente para que uma pessoa seja feliz em plenitude. Outras dimensões do ser, sem dúvida, precisam ser “bem” alimentadas e todos sabemos.

O trabalho pode dar conta da dimensão financeira, mas quem dará conta da dimensão saúde? Quem garantirá o êxito na dimensão família? Essa que envolve a pessoa amada – namorada ou esposa. A mesma dimensão que envolve também os filhos, os pais, os irmãos e parentes mais próximos. Quem há de sustentar a dimensão social? Essa dos relacionamentos e responsabilidades voltadas à comunidade de amigos e colegas que nos foram importantes ao longo de nossas vidas. O que fazer para evoluir na intelectualidade?

Partindo do pressuposto que todo ser humano tem um enorme potencial para iluminar-se enquanto ser pensante. Não seria uma lástima que toda uma vida fosse insuficiente para que uma pessoa saísse da mediocridade? Que ações, que rotinas, que procedimentos poderiam assegurar a elevação espiritual, não só de um indivíduo, mas também de toda a comunidade que o envolve? Não estaria nossa sociedade, completamente, doente ao privilegiar apenas o dinheiro e as posses como garantia de um futuro saudável? Quanto um indivíduo, uma vila, uma cidade, um estado, uma nação perde quando a ética não lhe é intrínseca?

Não seria surpresa se todos os profissionais de uma organização soubessem de cor e salteado a missão da empresa para a qual trabalha. A pergunta que não quer calar é se essas pessoas têm, igualmente, claro para si, qual a visão, a missão, o propósito, as crenças e os valores que, comprovadamente, garantem o êxito de uma pessoa nas demais dimensões. Qual a visão, a missão, o propósito, valores e crenças que dariam sustentabilidade a um verdadeiro pai, a um verdadeiro esposo ou esposa? Para que serve a espiritualidade? Teria alguma serventia? Quando, quanto, como, onde, por quê? E a saúde? Qual o seu propósito? Daria para cuidar disso tudo só quando estivermos a caminho da UTI?

Para conforto de todos nós, todas as demais dimensões são igualmente planejáveis, basta sabermos distribuir adequadamente tempo e prioridades!

Se algum trecho do meu texto te pareceu duro é porque te amo!

Marcondes         21 de Novembro de 2014               01:44

Gostou? Então compartilhe

2 comments on “Já pensou na tua missão hoje?”

  1. Edilson Noronha Responder

    Boa tarde amigo, na segunda-feira que passou, minha esposa começou a montar a árvore de natal, e foi ai que me deparei com a brevidade desse tempo. Quanto aos filhos tenho pensado muito sobre isso, tento limitar meus filhos dentro do conceito do que penso que é o certo, mas sei que na vida só aprendemos com a experiência, com nossos acertos e erros, que o Senhor nos ajuda a darmos conceitos bons para nossos amados filhos.

    Meu pastor (Ronei Porto) tem nos ministrado que…

    “Não podemos desfrutar de algo que não entendemos”.

    Mais uma vez, boa matéria querido amigo Marcondes.

    Deus te abençoe, hoje e sempre!!!

    • Francisco C Marcondes Responder

      Estimado Edilson!
      Obrigado pelo comentário e pela visita ao blog.
      Tenho uma filha casada com 29 e um filho que ora tem 24 anos. Estou convicto de que minha mulher e eu fizemos um bom trabalho na educação deles. Aliás, os pais, em geral, sempre imaginam estar fazendo o que é melhor.

      No meu caso, estou feliz com o resultado, porém, também estou convicto de que nosso êxito, se deve muito às bençaõs de Deus e também ao trabalho do Tio Adanor, nome pelo qual meu filho chamava o pediatra que cuidou dele e da minha filha. Um profissional excelente que nos ajudou a tirá-los de grandes crises de enfermidade, típicas de crianças em desenvolvimento.

      Não sou formado na área de humanas, mas sempre me interessei pelo sentido da vida. Estudo muito, poré, sempre terei o que aprender.

      Um grannnnde abraço!

      Marcondes.

Deixe uma resposta