Logo-grupo-cimm

Invista mais em sua autoconfiança!

Vika e JucaA curiosidade é natural a todos!

Por conta dela move-se o homem ao longo de seu processo evolutivo! Embora, cada ato, cada movimento seja precedido de uma avaliação, a grande maioria das pessoas, foi educada sob a égide do medo, desde a infância. Para muitos, a vinculação ao medo pode começar com o Bicho Papão em cima do telhado, com a Cuca que vem pegar ou ainda com o Boi da Cara Preta. Ao deixar o berço, as crianças ganham mobilidade. O medo de que venham a se aventurar com algo perigoso e longe dos olhos dos pais, levam esses pais a instituir a regra de que por princípio “tudo é perigoso ou proibido”. Assim, a criança tende a nada fazer sem antes perguntar se pode: “Mãe posso isso? Pai posso aquilo?” Tal regra costuma ser reforçada pelos professores, que precisam dar conta de manter a ordem em uma sala com 30 a 40 jovenzinhos irrequietos e baderneiros por natureza. Deste modo, o método do medo, aos poucos, vai se consolidando. “Professora! Pode ser a lápis? Pode ser com caneta vermelha? Posso apagar a lousa?” Além disso…… aos olhos de muitos professores, os melhores alunos são aqueles que menos interferem, menos perguntam e, em geral, são mais quietinhos. De certo modo, isso reforça mais o comportamento passivo do que o proativo. Não se pode afirmar que esse processo seja um fracasso, uma vez que chegamos até aqui e muito temos realizado, mesmo assim. É possível que sem o uso do medo e da coerção, pais e professores trabalhassem muito mais, até que as crianças chegassem à maturidade. Contudo, é bem possível que o número de empreendedores fosse bem maior, caso os pais ensinassem os filhos a serem mais autônomos desde o berço, do que pensar e decidir por eles enquanto puderem. Para a grande maioria dos pais os filhos serão sempre crianças, ainda que já passem dos 30 anos. A ideia não é a liberação geral e irresponsável, mas o acompanhamento, a orientação, sem o uso da coerção e do medo, ao menos, o mais que possível. É óbvio que respeito, moral, ética, civismo, altruísmo entre outras virtudes devem começar em casa. Por tudo o que aqui foi argumentado, a maioria das pessoas se apegam, por demais, ao conhecido e tendem a temer tudo aquilo sobre o que não tenham qualquer informação. Em outras palavras, se não há informações confiáveis, por princípio, deve ser ruim e perigoso. Talvez essa seja a razão que leva tantos à alegria, ao receber mais um fruto da fertilidade humana e ao desespero, ao se colocarem sob perspectiva do fim daquilo que, com certeza, pouco se deram a chance de conhecer e explorar, ou seja, a vida!

Marcondes                         30 de Abril de 2013           01:02

Gostou? Então compartilhe

4 comments on “Invista mais em sua autoconfiança!”

  1. Marcelo Euripedes Responder

    Prezado Marcondes,

    Parabéns pelos artigos. Tenho acompanhado a algum tempo. Resolvi comentar esse em específico pois toca num ponto delicado e importante para o desenvolvimento do nosso País, ou seja, o empreendedorismo. Como professor gostaria de complementar também que nossas Universidades não preparam os alunos para seguir nessa direção. Somos educados a vida toda para sermos empregados de grandes empresas privadas e, no Brasil de hoje, pior ainda, a melhor opção é ser funcionário publico, pois os salários e os benefícios são maiores.

    • marcondes Responder

      Olá Marcelo!
      Bom Dia!
      Obrigado pelo comentário e pelo prestígio que me concedes ao seguir o meu Blog.
      Estou de pleno acordo com tua argumentação. De certa forma nosso alunos são o resultado daquilo que se tem como propósito para a educação.
      Creio que a visão de quem faz a gestão da educação como um todo se desdobra ao longo da cadeia de ensino. pelo que temos visto ainda somos mais educados para trabalhar para alguém do que o contrário.
      Obrigado pela contribuição!
      Abraço!
      Marcondes.

  2. Edilson Responder

    Bom dia amigo Marcondes!!

    Esse cara sou eu, Pai super protetor, sempre fui assim, minhas filhas não podem fazer nada, coloco limites em tudo, fico até com pena delas rsrsrsrrsrrrs.

    Preciso melhorar isso…

    Ósculo Santo!!!

    • marcondes Responder

      Estimado Edilson!
      O problema é que a maioria das pessoas são super protetoras com os filhos.
      Ocorre que, mais cedo ou mais tarde, quer queiramos ou não, um dia, nossos filhos precisarão tocar as próprias vidas por si mesmos.
      Quando esse dia chegar, quanto mais autônomos forem, menos sofrerão.
      É muito importante não confundir amor com o sentimento de posse.
      O verdadeiro amor capacita e liberta.
      Garnnnde abraço!!
      Marcondes.

Deixe uma resposta