Logo-grupo-cimm

Quem nunca errou não deve ter vivido!

Reuniao de fechamento

Uma boa pesquisa nos sites das grandes livrarias e sebos da cidade podem revelar vários livros que tratam do assunto eventos. Existem livros sobre cerimonial, livros sobre organização de todo tipo de evento – convenções, simpósios, treinamentos, etc. Ler é sempre bom, desde bula de remédio. Para quem não sabe por onde começar, qualquer mínima informação pode oferecer um ponto de partida. Por outro lado, você nunca se tornará um bom jogador de tênis lendo livros sobre o assunto; é preciso entrar na quadra. Creio que minha equipe e eu aprendemos muito, juntos, fazendo reuniões de avaliação após todo e qualquer evento.

Ao final de uma convenção de vendas, por exemplo, assim que o pessoal partia, nós recolhíamos todo o material, ajeitávamos tudo para o despacho e quando todos estavam disponíveis, pedíamos algo para beber (um chá por exemplo…!!), só para criar um clima mais relaxado, sentávamos ao redor de uma mesa, em algum lugar tranquilo e repassávamos todo o evento. Cada um passava suas impressões e externava também as opiniões que, por ventura, tivesse colhido de algum convencional. Anotávamos tudo o que saiu bem e tudo o que ficou a desejar. Ou seja, aprendíamos algo novo a cada evento.

Ao longo de anos fomos percebendo o que dava certo e o que não funcionava. Aprendemos a entender os gostos e as preferências das pessoas, para as quais organizávamos os eventos. Tomávamos nota de tudo. Quando chegava a hora de organizar a próxima convenção, a primeira coisa a fazer era reler os prós e os contras da última. Poderíamos até errar em algo novo, mas evitávamos repetir erros do passado. Até para separar as duplas de quarto, sabíamos quem eram os fumantes, que eram os roncadores, os “dormem tarde”, os “dormem cedo”, o bagunceiros os quietinhos. Tudo era levado em conta para promover conforto.

Êxito é zelo, dá muito trabalho mas os resultados compensam. Quem só participa do evento, não sabe o trabalho que dá, apenas sabe se gostou ou se não gostou, mas o pessoal dos bastidores “rala” muito. Tive o privilégio de trabalhar com uma equipe de incansáveis. Sou grato a cada um deles. Ainda mantenho um bom contato com a maioria. Creio que não guardaram rancor por os fazer trabalhar tanto.

Fazíamos isso para todos os eventos ( treinamentos, palestras, open houses, etc.) Assim, depois de alguns anos descobríamos que estávamos fazendo muuuitas coisas que os livros recomendavam e tínhamos aprendido por conta própria. Obviamente, algumas vezes, tirávamos boas ideias dos livros e experimentávamos para ver no que dava.

Essa prática serve para tudo. Você pode preparar um churrasco em casa para os amigos e depois avaliar: o que deu certo, o que deu errado, o que gostaram mais, o que faltou, o que sobrou, qual foi o consumo per capta de carne, bebidas, sobremesa? Quanto tempo levou para assar cada tipo carne? Etc. etc. Essa prática te leva a cravar na mente um conhecimento que irá garantir o teu êxito em eventos futuros.

Tive a sorte de poder atuar mais no campos da ideias, apesar de também meter a mão na massa, mas seria injusto se não reputasse muito, talvez, todo o sucesso que obtivemos com eventos, em tantos anos, à equipe que me dava suporte. Cada um deles era muito bom em suas áreas de competência e no somatório sempre cumpríamos nossos objetivos. Também penso que fomos felizes e sabíamos!

Marcondes                    07 de Março de 2013                                           00:48

 

 

Gostou? Então compartilhe

4 comments on “Quem nunca errou não deve ter vivido!”

  1. Aldeci Responder

    Olá Marcondes, muito bom seus comentários. Fiquei mentalizando algumas passagens de eventos que participamos e acabei fazendo uma viagem no tempo, boas lembranças que podem virar um livro.rs
    É gratificante ao final de cada evento poder ouvir dos participantes um ” foi muito bom “, isso nos dá energia para continuar fazendo cada vez melhor, apesar de todo esforço necessário para alcançarmos esse resultado, quem gosta de fazer eventos, não mede esforços para fazer sempre o melhor.
    A cada evento, um aprendizado, assim é em tudo que fazemos.
    Grande abraço

    • Francisco C Marcondes Responder

      Olá meu irmão!
      Tua visita é sempre um privilégio.
      Creio que aprendemos muito ao repassar cada evento, tudo o que deu certo, tudo o que não deu tão certo. O melhor evento sempre era o próximo.
      Por outro lado sempre tivemos a convicção de que: Quem não quer cometer erro algum, acaba não fazendo coisa alguma e esse nunca foi o nosso lema, pois se havia algo que gostávamos de fazer era por novas ideias em prática.Aprendemos muito com isso.
      Grannnnnnnde abraço!
      Marcondes.

  2. Tatiana Responder

    Sou suspeita em falar algo sobre o comentário de vcs 2 né, afinal sou fã e defensora desse trabalho!!!
    Agora, foi uma surpresa pra mim saber que vcs dividem até os quartos pelo tipo de pessoa…E fiquei curiosa… Como vcs me classificavam??? hehehehe! Roncadora? Bagunceira? Não fumante?? Muito bom! Mais uma vez parabéns pelo post Marcondes!!

    • Francisco C Marcondes Responder

      Olá Querida!
      Me perdoe a demora em responder, a minha última semana foi bem corrida.
      Você estava na categoria super stars!!!
      Agradar 100% é praticamente impossível, pois há pessoas que não se sentem bem nem quando estão sós! kkk
      Mas ser um bom anfitrião implica em fazer o máximo para que todos se acomodem e curtam o evento dentro de uma atmosfera de amizade e bom ânimo.
      Beijão pra você e lembranças a todos!!
      Marcodes.

Deixe uma resposta