Logo-grupo-cimm

Quantos sorrisos você já recebeu hoje?

Não sou um CEO (Chief Executive Officer). Não sou diretor nem gerente, nem mesmo um supervisor. Não me aceitariam como ministro , senador ou governador. Não tenho MBA, não sou mestre, nem doutor. Não sou executivo, nem bancário, nem administrador. Não entendo de lógica, gestão ou engenharia. Não preciso ser poliglota, minha línguagem é universal! Não me preocupo, com metas, prazos, relatórios e nem reuniões. Não sou um estrategista e nem tenho sequer um plano de carreira. Não tenho dinheiro, nem fama, nem bens. Nada possuo. Não me importo com nada disso. Optei pela liberdade desmedida! Trabalho com a pureza, com a inocência e sou adepto da longevidade. Sou um colecionador de algo por demais precioso!
Sorrisos!

Gostou? Então compartilhe

8 comments on “Quantos sorrisos você já recebeu hoje?”

  1. Edilson Alves de Noronha Responder

    Muito bem, é meio que isso mesmo…
    O bem simples, já é bem complexo, mas é o menlhor, sejamos simples como foi Jesus, o Mestre dos Mestres!!

    • Marcondes Responder

      Olá Edilson!
      Muito obrigado pela visita e por tuas palavras bem faladas.
      Creio que o condicionamento organizacional leva as pessoas a olharem a vida apenas por uma perspectiva. A questão é que nem sempre a felicidade está prsente na perspectiva pela qual conduzem a vida.
      Grande abraço e mais uma vez obrigado!!
      Marcondes.

  2. Marcelo Hirai Castro Responder

    Se conhece da vida, se gosta do bem, se cuida, se zela, se presta atenção às pessoas, se tem a paciência e a tolerância, se entende, se busca a sabedoria, se tem a paz de espírito, se ajuda com prazer, etc, certamente que nenhuma falta fará tudo aquilo.

    • Marcondes Responder

      Grande Marcelo!!
      Quer me matar de saudade?
      Tava sentindo falta dos teus comentários.
      Sabe Marcelo!
      Eu penso que a grandeza do viver se origina nas coisas mais simples, como por exemplo sorrir e fazer sorrir. Nenhuma vitória na vida valerá a pena se esta custar o sorriso dos nossos filhos e filhas.
      Creio que o amor é uma riqueza e para amar nãos é preciso ter, mas ser!
      Grande abraço!!
      Obrigado pela visita!!
      Marcondes.

      • Marcelo Hirai Castro Responder

        Muito honrado fico com seu comentário, obrigado mesmo Marcondes!

        Essa história dos palhaços é demais!

  3. Marcondes Responder

    Prezado Hothenys!

    Há alguns anos, minha filha era uma pré adolescente e eu era professor da Universidade São Marcos.
    Par estimular os alunos a perderem a vergonha de falar em público e se acostumarem com os olhares das pessoas, criei aulas temáticas para que pudessemos aprender brincando.
    Era muito divertido. Faziamos a “sexta society”, o “dia do rasgado”, o “dia do enfaixado”, o “dia do palhaço”, o dia “dia do brega” e assim por diante.
    No dia do palhaço, todos nós, meus alunos e eu, portavamos um nariz vermelho de bolinha e algumas alunas nos maquiaram como palhaços.
    Na hora do intervalo, saíamos e iamos até a cantina ou a algum bar da redondeza para tomar um café ou comer um pão de queijo. Era muito divertido, pois todos os demais transeuntes queriam saber de onde teria saido tanto palhaço.
    Eramos foco de todos os olhares e , aos poucos, andando em grupos e vestidos de maneira bizarra, iamos aprendendo a se acostumar com a pressão dos olhares.
    No dia do palhaço, fiquei com preguiça de ir ao banheiro me lavar e tirar a maquiagem e fui dirigindo até minha casa com a cara pintada.
    Era algo especial que me ocorria a cada semáforo que eu parava, pois sempre parava um outro carro do lado do meu, então eu dirigia o olhar para o carro vizinho e ganhava um baita sorriso, puro, inocente e sincero, de todas aquelas crianças que paravam ao meu lado no carro vizinho, muitas vezes vestindo um corpo adulto.
    Quando cheguei em casa minha filha pirou!! Rimos muito juntos com a situação!
    Tenho grande carinho pelos palhaços, por isso escrevi um texto pra eles.
    No fundo, no fundo, penso que escrevi para mim mesmo!!
    Grande abraço,
    Marcondes.

Deixe uma resposta